Sei que me espera qualquer coisa
Mas não sei que coisa me espera.

Como um quarto escuro
Que eu temo quando creio que nada temo
Mas só o temo, por ele, temo em vão.
Não é uma presença: é um frio e um medo.
O mistério da morte a mim o liga
Ao brutal fim do meu poema.

Deixe um comentário

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Se você for blogueiro, retribuirei a visita assim que possível.