Este ano irei participar da Bienal do livro Rio, que está na sua XVIII edição. O evento terá início no dia 31 de agosto e irá até o dia 10 de setembro. Estarei presente do dia 1 ao dia 4 de setembro e estou muito animada! Vai ser minha segunda experiência como blogueira em um a Bienal, a primeira foi na de São Paulo, no ano passado.
Dizem que o RioCentro é bem maior que o Pavilhão de exposições do Anhembi, locais onde acontecem o evento, por isso, estou tentando me preparar fisicamente.

Este é um livro infantil, o primeiro da autora Elaneida Reira e também uma das primeiras publicações da editora independente, Arte Sabali Edições.
Neste livro, vamos conhecer Malik, uma criança que sempre se questiona o motivo de seus pais não morarem juntos na mesma casa, ele queria poder ter os dois por perto sempre, mas a realidade era que só sua mãe o acompanhava diariamente. Eles mantinham uma rotina de conversar e a mãe contar histórias antes de dormirem.

Após uma campanha enérgica contra a maconha, desde as plantações ao tráfico, com prisões de sipikats (traficantes), ficou cada vez mais difícil conseguir yamba (maconha) para uso próprio, para venda ou para qualquer tipo de finalidade. É nesse contexto que conhecemos o protagonista e narrador do livro, Amuyaakar Ndooy e seus gaay (amigos) Bukari, Badara, Yaba Xanca, Laay Gooté, depois que o último traficante, Dappasa, foi preso. Para eles, a escassez de maconha, era até pior que a escassez de água, que predominava em Sambey Karang, aldeia onde moravam.
Desse modo, eles tentaram substituir a maconha pela bebida alcoólica, mas era igualmente difícil encontrar álcool, já que a bebida foi proibida por questões religiosas.

Facebook da editora
Tem uma editora nova no mercado brasileiro. Uma editora que promete trazer o melhor da ficção e não ficção para o Brasil, nos mais diversos gêneros: romance, ensaio, quadrinhos, biografia, poesia, etc. Desde clássicos à contemporâneos, de autores brasileiros e internacionais. É uma editora que garante publicar livros para o nosso tempo. Essa editora é a Todavia, formada por ex-funcionários da Companhia das Letras.

Este é o primeiro livro autor, lançado pela pela editora 7Letras. O mesmo é separado por duas partes. A primeira é “Outros Poemas” e a segunda é “Alquimia da Tempestade”, que possui uma divisão própria. Vou começar de modo inverso, falando primeiro de “Alquimia da Tempestade”.


Publicado inicialmente na plataforma de leituras gratuitas, Wattpad, "Mais Leve que o Ar" é a primeira publicação do autor Felipe Sali, pela editora independente, Lote 42.

O livro vai nos fazer conhecer Melissa, uma menina de dezessete anos, que é capaz de conjurar flores e plantas, o que a transforma em uma druida, ser do sexo feminino que possui algum tipo de habilidade, desde que se dedique para o desenvolvimento da mesma. Melissa mora no Reino de Amberlin, com seus pais e suas sete irmãs.

Starr, uma jovem negra de 16 anos, é a personagem principal e narradora em primeira pessoa deste livro. Ela e sua família moram em um bairro do gueto, em Garden Heights, nos Estados Unidos. Desde os 10 anos, estuda em uma escola particular em outro bairro, a Williamson Prep, o que faz com que ela tenha que adotar comportamentos diferentes de acordo com o local em que está. Na escola, em que ela é uma das duas únicas pessoas negras, tem duas amigas brancas, Maya e Hailey. No bairro, tem dois amigos Kenya e Khalil e namora Chris, um garoto branco.

Dia 04/07 estive presente no lançamento do novo selo editorial independente, Arte Sabali Edições, que aconteceu na Blooks Livraria, do shopping Frei Caneca, em São Paulo. 
O selo foi criado pelas irmãs, Élida e Elaneida Reira, duas mulheres negras conscientes de sua posição de gênero e raça e do quanto o mercado editorial é excludente. Com o isso, esse projeto editorial tem como objetivo dar voz àqueles que são silenciados constantemente pelo mercado editorial, que também reproduz lógicas opressoras, uma vez que está inserido em um sistema opressor.

Normalmente, eu faço o levantamento de quantos livros li durante o ano só uma vez, em dezembro, mas esse ano resolvi fazer diferente. Aproveito que estamos no meio do ano para fazer esse levantamento e ver quantos livros li nesse primeiro semestre, para depois comparar com o quanto foi lido no segundo semestre.
Linkei todas as resenhas escritas, caso vocês queiram ler algumas delas.

Este livro é o primeiro da série Noivas da Semana. Os demais são de certa forma independentes deste, mas serão outros personagens que já apareceram aqui.
O livro começa com um diálogo entre Blake Harrison e seu melhor amigo Carter. Blake precisa de uma esposa o mais rápido possível para que consiga herdar a herança do pai. Quando estava vivo, pai e filho nunca tiveram uma boa relação e mesmo depois de morto, o pai ainda faz de tudo para dificultar que Blake herde sua herança. Deixou um testamento em que o filho é obrigado a estar casado por um ano até que complete 36 anos. Cumprida essa exigência do testamento, Blake herdará muitos milhões e o título de duque do pai. Mas Blake já é um homem muito bem-sucedido, uns milhões a mais não fará tanta diferença, mas pensa na estabilidade da mãe e da irmã.

Este é o primeiro livro da autora australiana, Anna Snoekstra, lançado no Brasil esse ano pela editora HarperCollins Brasil.
É um livro de suspense e thriller psicológico em que, aos poucos, vamos conhecendo a história de Rebecca Winter, uma garota que desapareceu em 2003 e até 2014, ninguém sabe ao certo o que aconteceu com ela.

Junho é um mês especial porque é quando se comemora o aniversário de publicação do primeiro livro do autor Lucinei M. Campos, Lavínia e a Árvore dos Tempos, que teve seu lançamento em junho de 2014, dia 14, mais precisamente. 
Me emociona muito cada aniversário porque é uma obra que, de certa forma, acompanho desde quando era só um arquivo no word e acompanhar sua publicação, seu crescimento com os anos e o tanto de leitores conquistados, só confirma aquilo que eu disse em uma postagem ainda em 2014, que o livro era garantia de sucesso, teria um grande de público e todos que lessem iriam gostar. 
Posto isso, vou fazer uma retrospectiva de como o blog esteve presente desde o início e trabalhou em prol da divulgação de Lavínia e a Árvore dos Tempos, logo após, repostarei parte da resenha já publicada anteriormente e os convido a lerem na íntegra.


Esse ano o blog vai comemorar quatro anos de existência e percebi que ainda não tinha feito uma pesquisa de público para conhecer melhor quem nos acompanha. Com isso, posso também melhorar a qualidade das postagens e trazer conteúdo novo e mais direcionado.
É uma pesquisa super rápida, menos de 3 minutos, mais rápido do que fazer um miojo. Conto com a colaboração de vocês e agradeço desde já.


Este é um livro de poesias que estreia o autor carioca, José Fernando Guedes, no mundo literário. Foi publicado em 2016 pela Imprimatur e é prefaciado com maestria por Adriano Espínola.
O principal motivo que me despertou a vontade de ler esse livro foi saber que seu autor, José Fernando Guedes, é neurocirurgião e professor de neurocirurgia (Unirio). Fiquei bem curiosa para saber como seria seus poemas, já que é algo que destoa um pouco de sua área de atuação. Me surpreendi da maneira mais positiva possível. Os poemas são ótimos!


Este livro é uma antologia organizada pela blogueira e autora, Thati Machado, e reúne oito contos distintos, cada um escrito por uma blogueira. O que eles têm em comum é a forma como cada um destaca algo que esteja relacionado com blogar, com o universo da blogosfera, seja um blog de viagem, de literatura, de moda, um canal no Youtube e assim por diante.
Achei fantástica a ideia dessa antologia porque nós, blogueiros literários, não temos muitos livros que falem sobre o que fazemos e com isso conseguimos identificar nos contos situações semelhantes  que já vivenciamos ou que almejamos vivenciar.

O mais recente lançamento da editora Biruta é o livro ‘Conversas de cachorro‘, de Caio Riter.  O mesmo é ilustrado por Daniel Araujo e conta uma história de amizade.

Quem nunca teve um animal de estimação? Mesmo que apenas no desejo ou na imaginação? Um gato, um rato branco, um coelho ou um hamster? Até mesmo uma tartaruga? Pois o Ângelo, o garoto desta história, tem também o seu bicho, um cachorro, o Peter. A relação dos dois é mais que dono e animal, é uma relação de amizade. Daquelas em que os amigos sabem tudo um do outro. Aliás, sabem até mesmo aquelas coisas que só amigos podem saber. Peter e Ângelo são assim: parceiros, companheiros, amigos. E é Peter, com seus conselhos, que auxiliará Ângelo a enfrentar os problemas que surgirão em sua escola quando um novo colega chegar.

Conversas de cachorro é uma história de amizade, mas também de aceitação das diferenças.
O livro está disponível na loja virtual da editora, clique aqui.

No dia 24/04, estive presente no lançamento do livro “Mundos Paralelos”, que aconteceu em São Paulo, na livraria Cultura do Conjunto Nacional. O livro, uma coletânea na qual dez autores provenientes da plataforma Wattpad Brasil assinam um conto, foi lançado pela revista Mundo Estranho, que faz parte da editora Abril.

Facebook  Revista Mundo Estranho
Recentemente, a revista Mundo Estranho, que faz parte do grupo Editorial Abril, lançou seu primeiro livro: uma coletânea de contos escritos por dez autores de sucesso no Wattpad, plataforma de leitura online. Cada autor ficou responsável por escrever um conto.

Os contos não se relacionam entre si, a única coisa que os liga é o fato de todos se passarem em mundos diferentes, distópicos e ficcionais. O livro possui muitas ilustrações, feitas por Thales Molina, quotes destacados e um projeto gráfico incrível, assinado por Bruna Sanches.


Com exceção de "Para educar crianças feministas", que foi lançado recentemente, este blog já resenhou todos os livros em português brasileiro da autora, agora chegou a vez de resenharmos um livro em português de Portugal.
A coisa à volta do teu pescoço ("The thing around your neck"), foi traduzido do inglês por Ana Saldanha e publicado em 2009 pela editora Dom Quixote, em Portugal.

Esse ano, teremos as editoras Biruta e Gaivota como parceiras aqui do blog e ficamos muito felizes em contar essa novidade!

Para começar, quero que conheçam um pouco sobre elas.


A editora Biruta foi criada em 2000, em São Paulo. Tem como proposta oferecer livros com texto, projeto gráfico e ilustrações harmoniosos entre si, o que resulta em publicações originais e de qualidade, sem nunca subestimar a inteligência do leitor, sejam crianças ou adolescentes.
Publica tanto autores clássicos internacionais, quanto autores contemporâneos nacionais.

Nesse romance de estreia do autor, conhecemos Neil Basset Jr, um ex- redator publicitário que mora em San Francisco (por isso a capa) e atualmente trabalha em uma empresa de informática, Amiante Systemns. Apesar de não ser sua área de atuação, seu chefe tem muito interesse nele por um motivo primordial: a empresa está tentando desenvolver o primeiro computador inteligente do mundo a partir dos diários escritos pelo pai de Neil. 
Para ser considerado inteligente, o computador tem que passar no Teste de Turing, no qual, juízes conversam com um computador e com um ser humano, sem saber qual é qual. Se o computador, por trinta por cento do tempo conseguir convencer os juízes de que não é uma máquina, ele é considerado inteligente.
Além disso, o leitor também pode acompanhar a vida de Neil como um todo, suas relações amorosas, familiares e interpessoais.


Este livro apresenta o método KonMari de organização, criado pela autora, Marie Kondo. É um método que realmente pode dar bons resultados, dependendo da necessidade de cada pessoa. Não acho que todas as dicas que ela dá são fáceis de aplicar na vida real por questões de praticidade e outras que podem soar estranhas.


Neste livro, conhecemos Perry Cook, um garoto de 11 anos que nasceu e mora em uma prisão de segurança mínima, o Instituto Penal Misto Blue River, localizado em Surprise, uma cidade de Nebraska.
Perry é o responsável por todos os dias acordar os residentes às 6h30 da manhã. Ele começa calma e lentamente, falando a previsão meteorológica, o cardápio do café da manhã, dando alguma dica literária e termina gritando “Toooooodos de pé!”.


Com muita alegria, anunciamos nossa parceria com a autora Clara Savelli. Uma pessoa que sempre teve minha admiração pelo seu trabalho e que agora poderei acompanhar mais de perto. Já resenhei um de seus livros aqui e logo mais todos os outros estarão resenhados também, além disso, faremos muitos sorteios.
Saiba mais sobre a autora logo abaixo.


Nesse livro, conhecemos Maitê Passos, uma adolescente de 17 anos que por ser gorda, sofre diversos tipos de preconceitos, tanto no âmbito escolar, quanto no âmbito familiar. Uma das piores consequências de tudo isso é a imagem que ela tem de si mesma: não se sente capaz de se achar bonita, nem de se amar, com uma baixa autoestima gritante. E isso acaba refletindo no seu círculo social de amigos, que é reduzido a apenas três pessoas: Josi e Valentina, amigas do colégio, um ano mais novas e Isaac, seu melhor amigo desde a infância, que mora no mesmo condomínio que ela.


Este foi um desafio que aconteceu no Instagram entre os dias 13/02 e 20/02, para comemorar o Black History Month ou Mês da História Negra, comemorado nos Estados Unidos para celebrar e relembrar as lutras da população negra nos anos 60. O desafio foi proposto por três mulheres do Instagram: Camilla Dias (@camillaeseuslivros), Camille Moraes (@liecurti) e Maria Fernanda (@_bookhunter) e contou com a participação de muitas pessoas, fazendo com que refletíssemos sobre a presença ou ausência de literatura negra em nossas estantes. 
Foram sete dias recheados de boas indicações. Fiquei com vontade de conferir tudo e pensando nisso, resolvi reunir em um só lugar todos os títulos. Houve alguns títulos repetidos, então optei por colocar em uma só categoria.


Este é um livro infantil, em que Clarice Lispector, narra em primeira pessoa, como ela matou dois peixinhos vermelhos. Mas deixa claro desde o início, que não o fez por querer. Para provar sua inocência, ela vai contando ao longo do livro, as relações que teve com outros animais ao longo de sua vida, de modo que fique claro seu amor aos animais, e mostre que não poderia fazer nenhum mal a eles de forma consciente. Diz que espera que no final, quando o leitor souber como os peixinhos morreram, ela seja perdoada.


Essa postagem compreende 27 páginas (79-106), nas quais se encontram os capítulos 4 e 5, intitulados "Racismo no movimento sufragista feminino" e "O significado de emancipação para as mulheres negras", respectivamente.

Quando o Partido Republicado conseguiu fazer com que a escravidão chegasse ao fim no Sul, eles queriam fazer com que houvesse sufrágio para os homens negros, mas não porque eram homens e sim porque representavam mais de 2 milhões de votos para o Partido Republicano. As mulheres brancas de classe média, lideradas por Elizabeth Cady Stanton e Susan B. Anthony, não pensavam assim. Com argumentos racistas, elas viam o sufrágio dos homens negros como uma forma de reafirmar a supremacia masculina, mas ignoravam que o fim dá escravidão só se deu, praticamente, de forma nominal, sem o direito ao voto, os homens negros não conseguiriam liberdade plena, pois ainda tinham privações econômicas e ainda eram constantemente atacados por gangues racistas.


Comprei esse livro em 2014 e apesar da minha euforia inicial para lê-lo, os anos foram se passando sem o fazer. Por estar a tanto tempo parado na estante, resolvi colocá-lo na categoria de autor nacional do #Desafio12MesesLiterários que estou participando esse ano. 
Não coloquei expectativas, mas bem lá no fundo, esperava gostar do livro. Infelizmente, não foi o que aconteceu e ao longo da resenha explicarei os motivos.


Dando continuidade do projeto, essa postagem compreende 35 páginas (43-78), nas quais se encontram os capítulo 2 e 3, que têm como título "O movimento antiescravagista e a origem dos direitos das mulheres" e "Classe e raça no início da campanha pelo direito das mulheres", respectivamente.
"Quando a verdadeira história da causa antiescravagista for escrita, as mulheres ocuparão um vasto espaço em suas páginas; porque a causa das pessoas escravas tem sido particularmente uma causa das mulheres" - Frederick Douglass (p. 43)

Fonte: Facebook da editora

Quem tem o sonho de publicar um livro, já mandou o original para muitas editoras, mas só obteve um “não” como resposta, isso quando houve resposta, pode se animar! A editora Multifoco está recebendo originais para análise e eu deixo abaixo uma carta do Geferson Santana, editor que apresenta o trabalho da editora e os benefícios oferecidos pela mesma.


Este é um livro de contos, quinze no total, precedidos de um prefácio assinado por  Heloisa Toller Gomes e uma introdução assinada por Jurema Werneck.
O primeiro conto é o que dá título ao livro, Olhos d'água, li arrepiada do começo ao fim. A personagem principal é uma mulher que não tem nome, recurso que faz com que o leitor possa se identificar mais com a história dela. Uma noite essa mulher acorda e se pergunta de que cor eram os olhos de sua mãe. Se assusta ao perceber que não lembra, o que é estranho porque todas as outras coisas ainda estão em sua memória: as brincadeiras que faziam juntas com suas irmãs e até mesmo do choro de sua mãe quando chovia, por medo da chuva derrubar seu barraco.
Tem uma parte em que a personagem lembra que na sua infância ela e suas irmãs sentiam fome e a mãe tentava distraí-las para esquecerem da fome. Isso me fez pensar  muito em Carolina Maria de Jesus e seu "Quarto de Despejo", do quanto ela batalhou para não deixar seus filhos morrerem de fome. O conto termina de uma forma muito simples e profunda. 


Essa é a primeira publicação do projeto #7SemanasComDavis, em que durante esse período trarei postagens referentes ao livro "Mulheres, Raça e Classe", publicado originalmente em 1981 e no Brasil, em 2016, pela editora Boitempo (clique aqui para saber mais).
Essa postagem compreende 20 páginas (11-41), nas quais se encontram o prefácio à edição brasileira e o capítulo 1, intitulado "O legado da escravidão: parâmetros para uma nova condição da mulher".


Estou lendo o livro "Mulheres, Raça e Classe", da Angela Davis, publicado aqui no Brasil pela editora Boitempo. A leitura está sendo feita com base no cronograma para leitura compartilhada feito pela Charlene Ximenes, do Instagram @livrosdacha (vejam o perfil dela) e é com base nele que farei as postagens relacionadas ao projeto aqui, baseadas nas anotações que estou fazendo ao longo da leitura e de eventuais pesquisas por fora. Mas adianto que não terá nada de acadêmico nessas postagens, serão escritas de um modo bem acessível, assim como é a escrita da Davis.
Desse modo, teremos postagem sobre o livro durante sete semanas, toda quinta-feira. A primeira postagem será no dia 04/02 e a última, dia 16/03 (meu aniversário).