"Clarice," é a biografia de Clarice Lispector escrita por Benjamin Moser. Uma biografia completíssima, que vale muito a leitura. Tão completa que até Carolina Maria de Jesus é citada.
O livro é dividido em 45 capítulos não muito curtos mas também não muito longos e em cada um descobrimos uma Clarice frágil, misteriosa, determinada. Uma Clarice que carregou por toda vida a culpa pelo que aconteceu com sua mãe, uma Clarice com uma grande dependência psilógica.

Achei bacana que o livro não aborda só a vida da autora, mas também o contexto histórico da época de seu nascimento, tudo que sua família teve que passar até conseguir chegar ao Brasil e tudo o que ainda tiveram que aguentar mesmo estando no Brasil. É quase uma aula de História em alguns momentos, especialmente quando Moser relata a situação dos judeus e é revoltante e doloroso ter consciência do quanto o ser humano é desprezível por ser achar superior a uma raça quando na verdade somos todos humanos e só isso deveria bastar: "De 1921 a 1922, 1 milhão de pessoas morreram de fome na Ucrânia. Em 1922 Quisbuing estimava que, dos 3 milhões de judeus do país, o número de judeus que sofrem fome e doença é menor do que 2 milhões".

"Um áspero cacto" é o título do trigésimo primeiro capítulo. É um dos mais curtos do livro e foi um dos que mexeu muito comigo. Nele, Moser fala sobre o dia em que Clarice, após tomar um monte de remédios para dormir, pega no sono com um cigarro acesso e provoca um incêndio em que fica gravemente ferida com queimaduras de terceiro grau.

É um livro que vale muito a pena ser lido. Foi a primeira biografia que li, me despertou o interesse no gênero.

O livro ficou parecendo um arco-íris, cheio de post-its coloridos. Então, para não ficar só em minhas palavras, deixo aqui algumas das citações.

"Ela se debateria ao longo de toda a vida entre a necessidade de pertencer e a tenaz insistência em manter-se à parte" *(p.22)

"(...) O que importa na vida é estar junto de quem se gosta. Isso é a maior verdade do mundo". (p.245)


" Às vezes no amor ilícito está toda a pureza do corpo e alma, não abençoado por um padre, mas abençoado pelo próprio amor". (p.436)


"Uma pessoa simplesmente não pode sobreviver sem ceder um pouco de sua liberdade e aceitar os laços necessários que a unem aos outros". (p.510)



*A numeração das páginas citadas são referentes ao livro da edição pocket.

11 Comentários

  1. Bom dia,

    Não conhecia esse livro e com certeza gostaria de ler, mas o tamanho assusta um pouco, não li nada da autora ainda, mas leria sim esse livro...abraço.


    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi! Tudo bem?

    Caramba, gostei da resenha. Nunca vi esse livro em lugar nenhum e confesso que, assim como o Marco Antonio que comentou acima, fiquei um pouco assustada com o tamanho do exemplar. Mas pelos quotes que destacou e pelos comentários, acho que a leitura deve ser realmente bem válida.

    Um beijo,
    Doce Sabor dos Livros - docesabordoslivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Infelizmente esse não é um livro que eu leria. Não gosto de biografias e nem de livros de história, por isso acho que não leria. Mas para quem gosta da autora e de livros do gênero, deve ser um prato cheio.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Eu tenho esse livro e nunca o li, mas adorei a sua resenha. Acho que vou tira-lo da prateleira rs

    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  5. As citações são maravilhosas. Não conhecia o livro, agora entrou pra lista do: ainda vou ler, rs. Seguindo, bjks.

    http://borboletasdegelo.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oii, tudo bem??? Nunca fui de ler biografias, mas li um livro que envolvia autobiografia, mas ficção também e curti bastante e sabe que fiquei interessada em ler outros. E este parece bem legal, ainda mais por ter o contexto histórico ;)
    Um beijão http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Essa biografia pra quem é fã da Clarice Lispector deve ser um prato cheio né? Só pelos quotes da pra ter um gostinho desse livro. Super concordo com os quotes, principalmente com o último.

    beijos
    Vento Literário / No Facebook / No Twitter

    ResponderExcluir
  8. Uau Maria seu blog é muito legal e útil!! Parabéns muito talentosa! By: Jaque

    ResponderExcluir
  9. Clarice é tão grande e tão plena que ele não precisava explodir seus preconceitos [racismos?] em cima de Carolina Maria de Jesus, a também escritora brasileira.

    ResponderExcluir
  10. A edição pocket é com folhas brancas?

    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Se você for blogueiro, retribuirei a visita assim que possível.