Edição: 0
Editora: Nova Fronteira
ISBN: 8520900976
Ano: 1988
Páginas: 216                       

Albino, nosso personagem principal é um homem adulto na casa dos trinta, casado e pai. Tem uma ótima relação com sua esposa Elisabeth, com quem é casado há oito anos e tem uma filha juntos: Irma, de oito anos também.
Um dia, caminhando sem destino pelas ruas de Berlim, onde a história é ambientada, simplesmente para matar o tempo, Albino entra em um cinema e conhece Margot, funcionária do cinema em questão. Por ser muito tímido, apenas limita-se a olhá-la e volta pelo menos umas quatro vezes antes de estabelecerem o primeiro diálogo.
Margot era filha de um porteiro de edifício que tinha servido na guerra e de uma mãe que dava muita importância para a limpeza. também tinha um irmão que era três anos mais velho e chamava-se Otto.
Quando criança, fora muito maltratada por sua família, aos 16 anos sonhava em ser estrela de cinema e alguns anos depois seus pais ficaram gratos por se verem livres dela quando ela saiu de casa e foi morar em um quartinho de empregada.
Margot e albino, chamado por ela de Albert, passam a se relacionar amorosamente e embora Albert se mostre perdida e cegamente apaixonada pela menina e financie todos os seus desejos a ponto de dar-lhe dinheiro para comprar um apartamento, continua casado, o que não dura muito tempo, pois Elisabeth descobre sua infidelidade e vai embora de casa levando a filha. Então Albert passa a morar como Margot e cego pelo amor, faz todas as vontades dela.
Com a volta de um amor antigo e a estabilidade que Albert lhe dá, Margot vai construindo sua vida e chega até a realizar seu sonho de se tornar estrela de cinema. No entanto, no dia da estreia, se descobre um fiasco completo e desiste de investir nessa carreira.
Eu gostei demais dessa livro. Já tinha lido outro do mesmo autor e com este, o autor garantiu um lugar fixo no meu coração. Apesar de não gostar da Margot, por ela não ser uma boa pessoa, o livro é fantástico mesmo e deixa transparecer toda glória que o Nabokov merece.
O final é trágico e sugestivo, dando lugar á imaginação do leitor. À Albert está reservado um futuro que ele, definitivamente não merece, mas é como dizem, o amor cega as pessoas; e quando descobrir toda a verdade, suas ações serão irreversíveis.

4 Comentários

  1. Oi! Vim te avisar que te indiquei para uma brincadeira entre blogs! É só entrar no link para saber mais: http://linhas--soltas.blogspot.com.br/2013/12/vamos-brincar.html

    Espero que goste ;-)
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia Nabokov, e quando vi o ano do livro, já fiquei animadinha: adoro livros mais antigos.
    Não sei se muitos enredos de hoje em dia acabam sendo pouco originais e cansativos, mas literatura Russa, década de 80 e com final trágico já ganhou MUITO meu coração rs
    Beijos

    Meu Meio Devaneio

    ResponderExcluir
  3. O cara que ficou conhecido por Lolita! Honestamente, eu tenho nojo do autor. Acredito que Lolita é uma obra que reflete muito da mente doentia dele, não acho legal escrever sobre crianças tendo relações com adultos (*cofcof* velhos). Talvez esse livro seja diferente, apesar de tratar de outro assunto polêmico: adultério. Não tenho coragem de ler nada dele. Sério.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá princesa.
    Feliz natal e feliz ano novo.
    Te marquei em um selo no meu blog, espero que goste.
    Beijos.
    http://linhasemaislinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)