Edição:0
Editora: Companhia das Letras
ISBN:0
Ano:2003
Páginas:319
Tradutor: Jorio Dauster

O meu interesse pela leitura desse livro, partiu inicialmente pela vontade de conhecer a outra parte da história. Ou seja, eu que sempre li livros nos quais o destaque era dado para meninas que gostavam ou se relacionavam com homens mais velhos, quis eu, ler um livro no qual era um homem mais velho gostando de uma criança.
Temos Humbert Humbert que desde cedo se viu atraído por menininhas. Porém, sabendo da descriminação que sofreria caso esse segredo fosse descoberto, resolveu casar e fixar-se num lar, com uma esposa, como um homem comum, e por que não dizer normal? Sua escolhida para esposa foi Valéria. Vista por ele como: “Uma grande e balofa matrona, de pernas curtas, seios fartos e cérebro diminuto”.

Depois de quatro anos de casados, quando Humbert quer mudar-se de Paris para os Estados Unidos, sua mulher revela lhe que há outro homem em sua vida. A primeira reação de Humbert, em seu papel de marido, naturalmente foi ficar pasmo. Não sem antes pensar em dar uma boa surra em Valéria e em seu amante, mas prosseguiu com sua vida.
Foi morar na condição de inquilino na casa de Charlotte Haze. Na qual, não pretendia passar muito tempo, até descobrir que Charlotte era mãe de uma ninfeta de 12 anos: Dolores Haze. Apaixonou-se perdidamente, na mais completa acepção da palavra, pois a partir daí, nutriu um amor louco e doentio, pela pequena criança.
E nesse início, a filhinha Haze dá indícios de corresponder ao amor de Humbert, mas quando os dois só tem um ao outro no mundo, a pequena criaturinha, se mostra infeliz.

 Enquanto Dolores estava em um acampamento de férias, Charlotte e Humbert casam-se. Não sem antes maquinar a morte de sua esposa, Humbert se vê agraciado pela morte dela após ser atropelada e começa a colocar os seus planos de viver uma vida conjunta com seu grande amor, sua ninfeta, sua Lô, sua Lolita, em prática. Viajam por dois anos sem destino. Humbert apresenta-se como pai de Dolores, hospedam-se sempre em motéis de beira de estrada e eventualmente em hotéis.

Quando finalmente fixam residência, Humbert em seu papel de “pai”, matricula Dolores em uma escola, a inicia no tênis, na natação e no teatro. Entretanto, a “inocente” criança ainda se mostra infeliz. O que é compreensível, pois ela se encontra na condição de uma órfã e namorada de um homem de mais de 37 anos, que se viu “abusada” sexualmente não só por Humbert.
Acontecem muitas coisas e, em um determinado dia, Dolores foge de Humbert, que como um louco, a procurou durante dois anos, só a encontrando quando ela já tinha 17 anos e um filho em seu ventre.
O leitor pode imaginar diversos finais, que a possibilidade do término do livro vai ser um desses finais imaginados, não vai ser pouca.

É uma leitura difícil, complicada e confusa, que precisa ser feita na companhia de um dicionário e da determinação de não abandonar o livro antes do final.

Em 1997, foi lançado um filme do livro que fez grande sucesso. Ainda não assisti, mas quando tiver a oportunidade, o farei. Deixo aqui em baixo, o trailer do mesmo:


4 Comentários

  1. Nunca consigo terminar de ler "Lolita". Não por ser difícil ou por preguiça, na verdade é por nojo de Humbert.

    Mesmo com todas as orientações para encarar a estória como uma estória de amor, eu não consigo.Nem o filme eu terminei de assistir (esse por outras questões).

    Gostei muito da resenha, parabéns :)

    beijos.

    http://olivrodasemana.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Muito, muito bacana a resenha.
    Eu li Lolita há 20 e poucos atrás rs, preciso fazer releitura, mas me lembro que na época não achei nada demais do livro a não ser que era picante pra minha idade! rs
    Mas agora tendo algumas lembranças, me vem na cabeça pedofilia! Sei lá, vou reler e volto a comentar!

    ResponderExcluir
  3. bem... somos duas (Virgínia) não tenho coragem para ler esse livro, também não consigo encarar como uma estória de amor!

    ResponderExcluir
  4. Comprei esse livro por R$1,00 no MercadoLivre (a intenção era pegar um livro bem detonado e restaurar para um tutorial de limpar livros no meu blog). Pois bem, o livro ficou perfeito e está na estante, na fila de espera para ser lido.

    Mas agora que li sua resenha, fiquei dividida. Será?? A primeira coisa que consigo imaginar é Humbert, como bom pedófilo que aparenta, vai se cansar da sua Lô por ela estar crescida. E que vai focar no baby que está em seu ventre. Só de pensar nisso a vontade é de atirar o livro longe. E olha que eu costumo ser bem tolerante com livros polêmicos e perturbadores.

    P.S. Só um detalhe, Dolores é a Lolita não? Se for tem um errinho na resenha, o nome está trocado pela Charlotte.

    Adorei o blog, flor!

    Grande abraço e boa semana

    http://estante-dos-sonhos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita e pelo comentário :)
Se você for blogueiro, retribuirei a visita assim que possível.